Belém: preço do peixe cai em 21 das 29 espécies pesquisas em feiras, aponta Dieese

No mês de agosto, em comparação ao mês de julho, 21 espécies de peixes tiveram queda de preços, do total de 29 pesquisadas nos mercados municipais de Belém. Segundo o estudo, as maiores quedas ocorreram nos preços do Curimatã, com recuo de 11,93%, seguido da Piramutaba (queda de 10,48%); Cachorro de Padre (-10,15%); Pescada Gó (- 8,25%); Sarda (- 7,74%); Xaréu (- 7,45%) e Traíra (- 7,44%). 

Porém, no mesmo período, oito espécies ficaram mais caras, com destaque para o Peixe Pedra, com alta de 6,92%, seguida do Tambaqui (aumento de 3,74%); Tamuatá (alta de 3%) e Bagre (2,56%). A pesquisa conjunta foi realizada pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese) e Secretaria Municipal de Economia (Secon).

Apesar desse recuo no mês, quando se analisa o acumulado do ano (janeiro a agosto), observa-se aumento no preço da grande maioria dos pescados (26 dos 29 analisados). Grande parte deles teve alta em percentuais acima da inflação calculada em torno de 5,94% (INPC/IBGE) para o mesmo período. 

De acordo com o levantamento enviado pelo Dieese, os maiores reajustes de preços foram verificados no Tucunaré, com alta acumulada de 36,88%, seguido da Piramutaba (alta de 30,82%), Dourada (22,25%), Uritinga (21,91%), Cachorro de Padre (18,23%), Tamuatá (17,98%), Cação (17,41%), Tainha (16,14%) e Filhote (16,06%). Nesse mesmo período, as únicas quedas de preços foram da Arraia (-7,61%), Pacu (-6,41%) e Pescada Branca (-0,08%). Já nos últimos 12 meses (agosto de 2021 na comparação com agosto de 2020), apenas duas espécies (Arraia, -6,18%, e Curimatã, -3,81%) tiveram queda de preços. 

O restante ficou mais caro, sendo que grande parte deles teve alta em percentuais acima da inflação calculada em torno de 10,42% para o mesmo período. De acordo com o levantamento enviado pelo Dieese, os maiores reajustes de preços foram verificados no Tucunaré, com alta acumulada de 39,45%, Tainha (29,94%); Piramutaba (29,78%), Surubim (29,65%), Tambaqui (28,29%), e Cação (27,05%).

Confira o preço médio do pescado na capital paraense (agosto)

Aracu: R$ 11,06

Arraia: R$ 9,71

Bagre: R$ 10,03

Cação: R$ 14,23

C. Padre: R$ 9,21

Corvina: R$ 14,79

Curimatã: R$ 10,85

Dourada: R$ 21,81

Filhote: R$ 27,39

Gurijuba: R$ 18,75

Mapará: R$ 11,34

Pacu: R$ 8,91

Peixe pedra: R$ 13,75

Pescada amarela: R$ 24,04

Pescada branca: R$ 12,71

Pescada gó: R$ 12,34

Piramutaba: R$ 14,60

Pratiqueira: R$ 14,56

Sarda: R$ 12,28

Serra: R$ 13,31

Surubim: R$ 18,54

Tainha: R$ 16,84

Tambaqui: R$ 17,05

Tamuatã: R$ 12,01

Traíra: R$ 9,46

Tucunaré: R$ 23,01

Uritinga: R$ 11,13

Xaréu: R$ 10,81

Pirapema: R$ 8,78

Foto: Agência Brasil