Home BACANA NEWS Ciclistas sofrem para pedalar em Belém

Ciclistas sofrem para pedalar em Belém

Ciclistas sofrem para pedalar em Belém

Foto: Wagner Santana/Diário do Pará

Por Kleberson Santos, DOL

são inúmeros os obstáculos que os ciclistas enfrentam ao tentar transitar pela ciclofaixa na Avenida Augusto Montenegro em Belém. No perímetro que se inicia no Entroncamento e vai até o conjunto Gleba, no bairro da Marambaia, a equipe do Diário flagrou situações como ciclistas pedalando pela rua e pela pista do sistema BRT, arriscando-se em meio aos veículos. Também chama a atenção à sinalização da ciclofaixa que está praticamente apagada

Mesmo sendo destinado aos ciclistas, o espaço é utilizado por pedestres que trocam a calçada pela ciclofaixa, e isso ocorre em algumas áreas devido à ocupação das calçadas por veículos que estacionam nesses locais, além de haver a obstrução de alguns pontos com as vendas de ambulantes que atuam na área.

Quem utiliza a bicicleta como meio de transporte para percorrer não só a via como vários pontos da capital precisa ter muita cautela para não se envolver em acidentes no trânsito. É o caso do vendedor ambulante Neres Maia da Silva, 51 anos, que mora na Cabanagem e utiliza uma bicicleta para vender lanches pelas ruas da cidade.

“Essa ciclofaixa não serve para muita coisa, a calçada é larga mas o pedestre prefere passar por lá. E aqui essa ciclofaixa é ocupada por carros, pelas pessoas que ficam nas paradas de ônibus. Por isso que tem ciclista que vai pelo BRT. A ciclofaixa deveria ser igual à da Almirante Barroso”, crítica o comerciante.

FISCALIZAÇÃO

Morador do bairro do Atalaia, o camelô José Maria Marques, 56 anos, também utiliza a bicicleta para se deslocar até o local de trabalho e sente dificuldade de trafegar pela cidade.

“Falta sinalização e fiscalização. É como se essa ciclofaixa não existisse, aí tem de andar pela rua e redobrar a atenção”, reclama.

Já o autônomo Josivaldo Moura, 41 anos, aponta que onde há pontos comerciais na Via, as calçadas acabam sendo utilizadas como estacionamento, seja de motocicletas ou carros, sem que essa prática seja cumprida pelo poder público municipal.

“Tinha de ter placa de sinalização e presença de guardas, seria ótimo, porque as pessoas iam se policiar.

Alessandra Oliveira, 27 anos, autônoma e moradora do Tapanã circula a pé pela via e relata os mesmos fatos.

“É muito arriscado. Todo dia tem carro estacionado aqui, a gente não pode nem falar nada e se obriga a andar pela ciclofaixa”, crítica.

RESPOSTA

A Prefeitura de Belém informa que já está programada uma revitalização de toda a sinalização das ciclovias dos primeiros trechos entregues na Augusto Montenegro.

Quanto à fiscalização de trânsito, a Superintendência de Mobilidade Urbana de Belém (Semob) mantém agentes em rondas durante todo o dia ao longo da avenida e, sempre que flagrados em estacionamento irregular, os veículos são autuados conforme determina o Código de Trânsito Brasileiro, indo de multa à retenção do veículo, dependendo do caso.