Casos de exploração sexual infantil são investigados pela Polícia Federal

Oito mandados de busca e apreensão na residência de investigados por crimes relacionados ao armazenamento e compartilhamento de imagens e vídeos contendo cenas de abuso e exploração sexual infantil, foram cumpridos pela Polícia Federal. A ação é resultado da “Operação Tuéris”, que foi deflagrada na região da grande Belém.

Mas os casos se estendem a outras cidades do Pará. As investigações foram conduzidas e operacionalizadas pelo Grupo de Repressão a Crimes Cibernéticos (GRCC) da Superintendência da Polícia Federal no Estado do Pará.

Somente no ano de 2022, a Polícia federal no Estado do Pará, com o apoio técnico do Serviço de Repressão aos Crimes de Ódio e à Pornografia Infantil (SERCOPI), cumpriu 15 (quinze) mandados de busca e apreensão visando apurar crimes relacionados ao abuso sexual infantil.

Os investigados poderão responder pelos crimes de compartilhamento e armazenamento  de pornografia infantil, previstos no estatuto da criança e do adolescente, se confirmada a hipótese criminal. Esses crimes possuem penas máximas que, se somadas, podem chegar a 10 anos de prisão.

Com a utilização de avançadas ferramentas tecnológicas, além de diferentes meios de obtenção de provas, foi possível rastrear a atuação dos investigados na rede e também a sua identificação. Os equipamentos apreendidos serão encaminhados para a realização dos exames periciais visando à coleta de provas digitais, as quais ficam armazenadas nos equipamentos eletrônicos.

Foto: Marcello Casal Jr./Arquivo/Agência Brasil