BR-316 recebe mais de 20 quilômetros de asfalto nas obras de reestruturação da rodovia

Foto: Augusto Miranda / Ag. Pará

A BR-316, na Região Metropolitana vai ganhar mais de 20 quilômetros de asfalto que estão sendo aplicados nos dois sentidos da rodovia – principal corredor de entrada e saída da capital paraense – dentro das obras de reestruturação da BR, executada pelo Núcleo de Gerenciamento de Transporte Metropolitano (NGTM). O asfaltamento é um dos serviços mais importantes, pois impacta diretamente as cerca de 80 mil pessoas que trafegam por dia na rodovia, que em 40 anos nunca havia recebido um serviço desta grandeza.

Na última semana, o NGTM deu início a três novas frentes de asfaltamento, sendo uma no km 4, em frente a um hospital particular, a segunda entre os km 6 e 7, nas faixas 2 e 3 e, a terceira frente em frente a Prefeitura de Ananindeua. Nas faixas próximas à calçada, o asfalto avança conforme a conclusão das obras de drenagem. Na medida em que as tubulações são cobertas, a equipe entra para a preparação do solo para receber o asfalto. Já nas faixas próximas ao canteiro central, o serviço é executado em etapas, explica o engenheiro Marcos Favacho, da diretoria de obras do NGTM. 

“O processo inicia com a escavação. Primeiramente, aplicamos duas camadas de pedra rachão, tecnicamente chamada de ‘macadame’. Após isso, entramos com a camada de base, colocando um material mais fino que vai preencher o espaço vazio entre as pedras. Aplicamos um impermeabilizante e, por último, um ligante, que vai dar subsídio para o asfalto aderir. Em seguida entra a primeira camada de asfalto, com 7,5 centímetros e a segunda, com 5 centímetros”, detalha Favacho. Para o serviço de pavimentação da rodovia BR-316, operários utilizam várias máquinas, como “espargidor”, “vibro acabadora”, “rolo pneumático” e “rolo tandem”. 

A obra ocorre com a via em pleno funcionamento. Por isso, as faixas recebem a pavimentação gradativamente, mantendo sempre de duas a três fixas liberadas para o tráfego de veículos, além das pistas expressas do BRT Metropolitano. Quando um trecho fica pronto, a faixa é liberada e as equipes iniciem o serviço nas outras faixas. 

“O BRT Metropolitano é um conjunto de obras no trecho dos 10,8 quilômetros da BR-316, que juntas vão proporcionar qualidade de vida aos moradores, com mais infraestrutura e mobilidade. Estamos trabalhando com mais de mil operários, em três turnos, para cumprir o cronograma da obra, prezando sempre pela qualidade e consequente durabilidade do serviço”, afirma diretora-geral do NGTM, Leila Martins. 

As obras seguem progredindo conforme o cronograma, com operários em três turnos de trabalho ao longo da BR-316 com drenagem, asfaltamento e demais frentes de obras. As pistas expressas já estão cerca de 85% executadas, os túneis com mais de 90% concluídos e o Centro de Controle Operacional está 98% de avanço. O objetivo é melhorar a mobilidade de mais de 2 milhões de pessoas em Belém e Região Metropolitana.

Por Agência Pará