Home Notícias Corporativas Plataformas auxiliam quem busca trabalho autônomo no país

Plataformas auxiliam quem busca trabalho autônomo no país

Plataformas auxiliam quem busca trabalho autônomo no país

Em um país com 10,6 milhões de desempregados, em que a taxa de desocupação ficou em torno de 9,8% no trimestre encerrado em maio, segundo dados da Pnad Contínua (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua), divulgada IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), para muitos, a busca por uma oportunidade começa pela tela do aparelho celular.

Segundo um estudo do Instituto Locomotiva obtido pelo Estadão, 11,4 milhões de brasileiros passaram a utilizar aplicativos para aumentar ou garantir sua renda em 2021. Com isso, cerca de 32,4 milhões de pessoas (20% da população adulta) utilizam algum software de forma profissional no período analisado. Em fevereiro de 2020, pouco antes do início da pandemia de Covid-19, esse percentual era de 13%.

Indy Virmond, cofundador e CEO da Trapi – startup que oferece uma plataforma gratuita para buscar e avaliar oportunidades de trabalho autônomo -, afirma que poucos países têm vivido uma escalada do trabalho autônomo tão forte quanto o Brasil. 

“O trabalho autônomo sob demanda tem ajudado muitos brasileiros a pagar as contas do mês. Mesmo assim, ele ainda precisa ser melhor enquadrado e regulamentado no país, a fim de assegurar boas condições de trabalho a todos os profissionais e maior segurança jurídica para as empresas que o oferecem”, observa.

Entre 2015 e julho de 2021, o Cepi (Centro de Ensino e Pesquisa em Inovação) da FGV Direito SP (Escola de Direito de São Paulo da Fundação Getulio Vargas) desenvolveu uma pesquisa sobre a Gig Economy e mapeou PLs (Projetos de Lei) na Câmara dos Deputados e no Senado Federal que tratam sobre a pauta.

Ao todo, foram identificados 128 PLs federais relacionados à regulação do trabalho em plataformas digitais, conforme publicação do site TI INSIDE Online. Desses projetos, 59 dizem respeito a motoristas de apps, 21 a entregadores, 35 a motoristas e entregadores, 12 a trabalhadores em geral e um a artistas e intérpretes de obras audiovisuais.

Gig Economy

Virmond afirma que o mercado de trabalho vem se transformando rapidamente nos últimos anos e tem se tornado mais líquido. Os profissionais têm se acostumado com uma maior flexibilidade de local e de horário de trabalho, além de ter mais facilidade para trocar ou, até, combinar diferentes funções para incrementar a renda.

“Esse movimento – também conhecido como Gig Economy – é impulsionado, entre outros motivos, pelo aumento da oferta de trabalhos autônomos sob demanda, onde a empresa remunera o profissional a cada serviço prestado”, complementa.

Gig Economy, o movimento citado pelo especialista, diz respeito às relações de trabalho existentes entre profissionais e empresas que contratam mão de obra de acordo com a demanda, sem vínculo empregatício. Segundo um informe da McKinsey & Company, empresa de consultoria empresarial estadunidense, aproximadamente 150 milhões de trabalhadores atuam nesse formato nos Estados Unidos e na Europa Ocidental. Já na China, segundo um boletim do Beijing Zhicheng Migrant Workers Legal Aid and Research Center (BZMW), tal contingente já chega a 200 milhões de trabalhadores.

De acordo com o estudo do Cepi citado anteriormente, a Gig Economy envolve diversas atividades econômicas, como entrega de produtos, transporte de passageiros, advocacia e serviços jurídicos, ensino e treinamento, faxina e limpeza, freelancers, cuidados de animais, saúde e bem-estar, programação e TI (Tecnologia da Informação), consertos e obras, cuidados de crianças, hotelaria e turismo, transporte de cargas e plataformas de múltiplas atividades.

“Embora essa ‘liquidez’ do mercado de trabalho já venha ganhando momento há alguns anos, tanto a crise econômica quanto a sanitária contribuíram para acelerar este processo. Isso porque a oferta por vagas de trabalho tradicionais diminuiu e as empresas foram forçadas a inovar na maneira como levam seus serviços até o consumidor final”, acrescenta Virmond.

Plataformas são opção para profissionais

De acordo com o cofundador da Trapi, as informações na internet brasileira sobre oportunidades de trabalho autônomo ainda estão muito fragmentadas e pouco confiáveis, o que eleva o risco de cair em golpes virtuais ou de simplesmente não encontrar o que está buscando. 

Para solucionar este entrave, surgem plataformas para auxiliar os profissionais que estão em busca de uma chance para trabalhar por conta própria. A Trapi, por exemplo, é uma delas, que a fim de acelerar seu crescimento registrou em julho a captação de uma rodada de investimento que contou com os fundos Bossa Nova Investimentos e Incubate Fund, respectivamente os maiores fundos de investimento pré-seed do Brasil e do Japão.

“As tecnologias ajudam a organizar e filtrar toda a informação disponível on-line e permitem que os próprios profissionais avaliem e recomendem as melhores oportunidades. Isso ajuda a trazer mais transparência na hora de escolher uma vaga e mais segurança para se candidatar”, afirma Virmond.

Para mais informações, basta acessar: https://trapi.com.br/